Menu
Crítica

Ponto de Mira

Autor da crítica: Jorge Mourinha

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

É o truque e o trunfo de "Ponto de Mira", aplicação prática da estética "Rashomon", do jogo vídeo na primeira pessoa, da TVmosaico tipo "24" e do "jornalismo do cidadão" ao cinema de acção: pegar no mesmo evento e vê-lo de tantos pontos de vista possíveis quantas testemunhas à situação existam. Sempre que muda de testemunha, o inglês Pete Travis faz "rewind" até ao ponto zero da acção e relança-a de outro ponto de vista, ao mesmo tempo que aproxima a câmara, faz "zoom" e chega mais perto da verdade sobre o atentado, com cada personagem a possuir dados diferentes que permitem ir completando o quebra-cabeças.

Tudo correria pelo melhor dos mundos se às tantas não se perdesse o fôlego. Primeiro, a meio do filme, o dispositivo começa a engonhar. Travis consegue recuperar o embalo e arranca para uma perseguição automóvel de antologia. Depois, nem a perícia formal nem a montagem trepidante de mestre Stuart Baird evitam um final onde o elástico da credibilidade parte. Nada de grave para o que não quer ser mais que um bom entretenimento de acção.

Topo
Pesquisar
© 2011 PÚBLICO Comunicação Social SA