Menu
Crítica

Rendez-vous falhado com Noam Chomsky

Autor da crítica: Jorge Mourinha

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

É Feliz o Homem que É Alto? é mais uma dessas experiências, e no papel uma das mais interessantes: um documentário que regista uma longa conversa de Gondry com o linguista e pensador americano Noam Chomsky, conversa essa que, em vez das habituais imagens de arquivo ou de entrevista, é inteiramente ilustrada por animações “caseirinhas” criadas pelo próprio realizador ao longo de dois anos.

O efeito da bricolage visual, marca registada do cinema de Gondry, assemelha-se a entrar na cabeça de Chomsky e tentar acompanhar a velocidade do que se passa lá por dentro – e o que à partida seria o grande trunfo do filme acaba por tornar-se rapidamente no seu maior problema. Em vez de a imagem complementar a conversa, o trabalho visual acaba por distrair do intrincado pensamento de Chomsky, criando um filme cujas duas pistas só muito pontualmente se cruzam como pretendido. É Feliz o Homem que É Alto? não deixa por isso de ser interessante, quer como “distilação” do linguista quer como exemplo da criatividade do cineasta, mas é uma espécie de rendez-vous falhado. 

Topo
Pesquisar
© 2011 PÚBLICO Comunicação Social SA