Menu
Crítica
2 páginas de 1 crítica

À medida de Isabelle Huppert

Autor da crítica: Jorge Mourinha

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

É caso tão raro que merece ser sublinhado: um filme onde a expressão “à medida de” é absolutamente perfeita. O regresso em grande do provocador holandês Paul Verhoeven apenas pode existir, em todo o seu humor negro e sugestiva perversão, porque tem Isabelle Huppert no papel principal – e porque nenhuma outra actriz seria capaz de encarnar desta maneira esta personagem, esta mulher que ora é de ferro ora é de gelo ora é de fogo, que está sempre em absoluto controlo do mundo que a rodeia e que faz tudo virar-se a seu favor.

Sátira escarninha de uma burguesia acomodada ou incursão a fundo nos recantos escuros da alma humana, Ela não é tanto um filme como um caleidoscópio de possibilidades narrativas accionado pela interpretação imperiosa, virtuosa, mutante de uma Huppert que raramente vimos tão à vontade e que confirma aqui não ter competição à altura para o trono de maior actriz viva (Meryl Streep anda encostada à bananeira, Julianne Moore tem andado perdida, Juliette Binoche não é capaz destes abismos). Verhoeven é um simples facilitador: Ela é Huppert, Huppert é Ela, o filme é indissociável da sua actriz. Para o bem e para o mal.

Topo
Pesquisar
© 2011 PÚBLICO Comunicação Social SA