Menu
Crítica

Mãe sem filho

Autor da crítica: Luís Miguel Oliveira

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

No final, precedendo o genérico de fecho, Sombra explicita a sua origem narrativa, mas também a função “social” que reclama para si, ao evocar uma das mais conhecidas histórias de desaparecimentos de crianças em Portugal, o chamado “caso Rui Pedro” (e depois menciona vários outros casos semelhantes, alguns igualmente celebérrimos, como o de Madeleine McCann, outros não merecedores de tanta atenção mediática). E uma espécie de glosa do desaparecimento de Rui Pedro está na base do argumento do filme, com um foco a piori interessante: centrar-se na personagem da mãe (Ana Moreira), à medida que os anos passam e as pistas (verdadeiras ou falsas) se sucedem sem que a investigação chegue a resultados concludentes e sem que alguma vez o destino do miúdo seja esclarecido.

De certa forma, essa personagem, e essa actriz, são o essencial do que há para ver em Sombra. É um pouco como se o filme fizesse Ana Moreira passar para outro lado, para o lado das mães, num curioso reflexo especular da sua entrada no cinema (nos Mutantes de Teresa Villaverde”), sob o signo de uma adolescência em situações de risco. Sombra conclui o processo de “remodelação” de Ana (iniciado porventura no Amor Amor de Jorge Cramez), fá-la, por assim dizer, passar a outra idade. Isto é a melhor notícia de Sombra, e a principal razão para o ver. Porque depois o filme de Bruno Gascon (Carga) tem imensos problemas que o vão afundando, de argumento e de mise en scène. Tudo o que não dependa da intensidade que Ana Moreira põe na sua personagem aparece como tosco e curto, e curiosamente é quando o filme precisa de ser narrativamente pragmático que mais falha (os polícias, a investigação, os interrogatórios, e sobretudo a penosa cena de tribunal que devia ser um climax mas tem a mesma singeleza falsa e esquálida que se encontraria numa telenovela). É objecto honesto, e nada ou quase nada sensacionalista no tratamento de matéria tão propensa a espalhafato desse tipo, mas falta-lhe quase tudo para que se encontrem nele outras virtudes.

Topo
Pesquisar
© 2011 PÚBLICO Comunicação Social SA