Menu
Crítica

Esmagados pela literatura

Autor da crítica: Luís Miguel Oliveira

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Quase um subgénero do cinema americano actual, os “Salinger films” aparecem com uma regularidade de metrónomo. No caso, e com origem num romance autobiográfico de Joanna Rakoff, O Meu Ano com Salinger conta a experiência de uma rapariga acabada de sair da faculdade (Margaret Qualley), que encontra um emprego na mesma agência literária que zela pelos interesses do autor de À Espera no Centeio. O name dropping abunda, assim como nos diálogos abundam as referências e os clichés literários, e o filme, evidentemente, explora a expectativa de aquele nome “mágico”, J.D. Salinger, se consubstanciar em algo mais do que apenas um nome, à força de tanto ser invocado (e nesse aspecto, diga-se, é bastante anti-climático).

Como incursão pelos circuitos literários novaiorquinos está a milhas da verve do mais singelo Woody Allen, porque o pasmo de Philippe Falardeau perante aqueles ambientes parece genuíno, como história de coming of age e descoberta de uma vocação é de uma enorme banalidade, e se o confronto entre Qualley e Sigourney Weaver (em modo “megera”, no papel da patroa da agência) acende o filme a espaços, raramente se sai de uma tepidez insípida digna do mais anónimo telefilme.

Topo
Pesquisar
© 2011 PÚBLICO Comunicação Social SA