Menu
Comentários

Uma história de violência

Fernando Oliveira, Coruche, Portugal 18-02-2021

Denunciar este comentário

Como em muitos dos melhores filmes de Cronenberg, em "Uma História de Violência" o tema é o Mal a emergir, a explodir do "ele", personagem (s) do filme.
Nesta história de Tom Stall; pacato dono de um restaurante na pequena cidade de Millbrook, Indiana, casado com a advogada local, e pai de dois filhos com os problemas próprios da idade; que durante uma tentativa de assalto no seu restaurante, reage de forma violenta e mortal contra os dois criminosos, tornando-se um herói e um exemplo para as cadeias de televisão nacionais; e que depois, tendo sido reconhecido, tem de lidar, numa espiral de violência, com o seu sangrento passado, e quem, desse, o persegue.
Cronenberg filma da forma que nos habituou, genialmente, desde a primeira sequência, de antologia e de uma crueldade extrema; e depois mostrando-nos as alterações que os acontecimentos e as revelações vão produzindo naquela família à medida que o medo e o descontrolo vão tomando conta deles e o mal vai emergindo de Tom que na luta para preservar o seu presente vai destruir quem o persegue do passado. A violência é filmada sem cedências e atinge-nos como um murro no estômago, sem artifícios e de forma seca, tanto nas cenas de luta, como na vivência daquela família, que ao ser contaminada (outra palavra que tem tudo a ver com Cronenberg) pela dúvida, vai reagindo num crescendo de descontrolo emocional. Exemplo perfeito é a diferença entre as duas cenas de sexo entre Tom e Edie, a esposa: a primeira uma brincadeira ingénua entre duas pessoas que se amam, a segunda é quase uma violação a que Edie se entrega de forma também brutal.
Viggo Mortensen é perfeito no papel de Tom, um homem que confrontado com a violência sabe que lhe é superior, é quase sinistra a forma calma com que vai reagindo ao que lhe acontece. Ed Harris e William Hurt deslumbram nos pequenos papéis que lhes cabem; mas a grande surpresa é Maria Bello, a representar Edie, a fazer lembrar por vezes Deborah K. Unger em "Crash", outra obra-prima de Cronenberg.
Um filme maior no Cinema dos últimos anos.
(em "oceuoinfernoeodesejo.blogspot.pt")

Escrever comentário:

Topo
Pesquisar
© 2011 PÚBLICO Comunicação Social SA