Menu
Ficha de Filme
O Cinema, Manoel de Oliveira e Eu
Ver trailer Galeria de fotos
Veja mais cinemae com o Público

Sinopse

Manoel Cândido Pinto de Oliveira nasceu na cidade do Porto a 11 de Dezembro de 1908, no seio de uma família da alta burguesia com origens na pequena fidalguia rural. À data da sua morte, a 2 de Abril de 2015, com 106 anos de vida, era o mais velho realizador do mundo em actividade. O Governo português decretou dois dias de luto nacional e a Câmara do Porto três dias de luto municipal.
Manoel de Oliveira é autor de 32 longas-metragens e, apesar de uma periodicidade rarefeita nas primeiras décadas, acabaria por realizar quase sete dezenas de títulos, desde que, em 1931, se iniciou com a curta-metragem "Douro, Faina Fluvial".
Através de "O Cinema, Manoel de Oliveira e Eu", que mistura documentário e ficção, o realizador João Botelho tenta fazer um filme que serve, nas suas palavras, "como uma introdução à obra de Oliveira, uma divulgação de algumas das suas invenções cinematográficas e um manifesto contra o esquecimento, a perda da memória", sendo também "uma viagem ao cinema de Oliveira, ao seu método, ao seu modo de filmar, às suas prodigiosas invenções cinematográficas (…). E como, para ele, e agora para mim, documentário e ficção vão de par – de cinema se trata – atrevi-me a filmar uma história magnífica, que o Manoel amava mas nunca filmou, que deixou para trás. Como se a mão dele e os seus olhos lá perto de Deus, ou no meio dos Deuses, me conduzissem. Para que, ainda hoje, ele possa, através de mim, continuar a filmar". PÚBLICO

Votar

Votos dos leitores

Total de votos (11)

Votos dos críticos

  • Luís Miguel Oliveira
    • 1
    • 2
    • 3
    • 4
    • 5
Total de votos (1)

Secções

Mesmo Género

Topo
Pesquisar
© 2011 PÚBLICO Comunicação Social SA